Livro faz Teixeira Cândido perceber que não é o único que questiona a existência humana

Livro faz Teixeira Cândido perceber que não é o único que questiona a existência humana

18 de outubro de 2019

Ao falar esta quinta-feira, em Luanda, na rubrica 'O Livro Da Minha Vida', sobre a obra ‘A Imortalidade’, de Milan Kundeira, Teixeira Cândido disse que o livro fê-lo perceber que não é o único que tem procurado saber sobre as questões ligadas ao existencia

O jornalista partilhou e respondeu, no Multifunções da Academia BAI, sobre temas relacionados com a existência, vida moderna, sociedade e a cultura ocidentais; diferença entre essência individual levantadas no livro 'A Imortalidade'.

“Depois de ler este livro, percebi que, afinal, não sou a única pessoa a fazer esses tipos de questionamentos «ligados à existência». Nós não sabemos ao certo se a pessoa vive como tal ou… como será o outro mundo”, referiu, acrescentando que nutre grande admiração pelos escritores da europa do Leste.

No romance de cariz existencialista, Milan Kundeira assume simultaneamente o papel de narrador-autor e procura, ciclicamente, dar corpo a problemática da existência humana, intercalando as histórias da personagem Agnes, seu marido Paul e sua irmã Laura.

Sucedâneo de ‘A Insustentável Leveza Do Ser, o ‘A Imortalidade’ é sexto romance do escritor. Com seus personagens reais e inventados, Kundera desenvolve uma narrativa a partir do gesto casual que uma mulher faz ao seu professor de natação quando sai da piscina.

Tal como a Emma de Flaubert ou a Anna de Tolstoi, no livro a Agnes de Kundera se torna objecto de fascínio e de uma busca insondável. 


Texto: Albino Tchilanda

Fotografia: Santo César

 

Fonte: Neovibe

Tags: #Rubrica , #OLivroDaMinhaVida , #TeixeiraCândido , #Convidado , #AcademiaBAI