Jovens da Mulemba dramatiza a problemática da partilha de telemóvel no lar

Jovens da Mulemba dramatiza a problemática da partilha de telemóvel no lar

29 de novembro de 2019

A peça apresentada ontem, na LAASP, aborda a problemática da partilha de telemóveis e redes sociais pelos cônjuges. O enredo, capaz de prender qualquer espectador, levanta questões como privacidade, fidelidade, hábitos, usos, costumes e regionalismos.

Encenada pelo grupo teatral Jovens da Mulemba, o fragmento é uma chamada de atenção à importância que vários casais conferem aos telemóveis e redes sociais como Facebook e WhatsApp em detrimento dos cônjuges.

A trama desenvolve-se em torno de um jovem casal, proveniente de famílias com usos, hábitos e costumes diferentes, que vê sua relação arruinar-se por conta das redes sociais.

A didascália foi elaborada com base nos testemunhos de vários casais. O que se pretendeu, segundo António Kapangu, encenador da peça, é apelar para que as pessoas assumam suas próprias relações e não permitam que os pequenos objectos tomem o controlo de si.

“Queria apelar para que a gente não terceirize as culpas. É importante que a gente tenha maior poder que os objectos para que eles não definam o curso da nossa relação conjugal”, aconselhou. 

Intitulada ‘Meu telefone, Nossa privacidade’, a peça procura também advertir e encontrar o modelo de família moderna.

“A peça foi de propósito. Existem testemunhos de pessoas que partilham telefones, contas bancárias e vivem na boa. E há outras que têm essa resistência”, disse.

Ao emitirem seus traços psicológicos, pontos de vista e emoções, caracterizadas pela linguagem corrente e o uso de regionalismos, o espectador facilmente se encontra.


Texto: Albino Tchilanda

Fotografia: Santo César

Fonte: Neovibe

Tags: #Teatro , #MeuTelefoneNossaPrivacidade , #JovensDaMulemba , #GrupoTeatral