Luísa Fresta vence prémio literário ‘Um bouquet de rosas para ti’

Luísa Fresta vence prémio literário ‘Um bouquet de rosas para ti’

7 de março de 2018

Um bouquet de rosas para ti

Por: Redação


‘Um bouquet de rosas para ti’, do poeta Agostinho Neto é a designação do prémio inspirado no poema homónimo, dedicado à esposa, Maria Eugénia Neto, escrito na cadeia da PIDE do Porto, no dia 8 de Março de 1955.

O Prémio de Poesia no Feminino, ‘Um bouquet de rosas para ti’, homenageia a esposa do primeiro Presidente de Angola, celebra a mulher angolana e também o 8 de Março, Dia Internacional da Mulher.

O Prémio foi instituído em Março de 2017, no âmbito dos projectos culturais do Memorial Dr. António Agostinho Neto.

‘Um bouquet de rosas para ti’ visa incentivar a produção de obras originais de escritoras angolanas e estrangeiras, estimular a criatividade feminina e destina-se a galardoar três obras inéditas de poesia, exclusivamente escritas por mulheres, que não tenham sido premiadas em outro concurso. Ao prémio, podem candidatar-se todas as mulheres do mundo, independentemente da sua nacionalidade, desde que apresentem as suas propostas textuais em língua portuguesa.

Na edição 2018, (a primeira), distinguiu as seguintes obras  e respectivas autoras, ‘Março entre meridianos’ de Muhatu, pseudónimo literário de Luísa Clara Cartaxo Fresta, primeiro prémio, um milhão de kwanzas e publicação da obra, ‘Rumorosas sílabas, simetrias de mulher’, de Marquita 50, pseudónimo literário de Cíntia Eliane Gonçalves André, quinhentos mil kwanzas, e ‘Seios e ventres’ de Kanguimbo Ananás, pseudónimo literário de Maria Manuela Cristina Ananás, vencedora do terceiro prémio, que  recebe duzentos e cinquenta mil kwanzas.

O Jornal de Angola refere que a edição da obra premiada está a cargo do Memorial Dr. Agostinho Neto e a tiragem, mil exemplares, foi determinada pela mesma instituição. A autora da obra premiada recebe todos os anos uma informação sobre as vendas, quando atingirem os 500 exemplares. A autora recebe, a título de direitos de autor, oito por cento do preço de venda ao público.

 

Fonte: Jornal de Angola