Mayembe apresenta exposição individual que reivindica o regresso às origens culturais

Mayembe apresenta exposição individual que reivindica o regresso às origens culturais

12 de setembro de 2019

O artista visual Mayembe inaugurou ontem à noite, no Memorial António Agostinho Neto, em Luanda, a sua exposição individual. A série de esculturas, pinturas e peças é um diálogo sobre a trajectória do artista e traz reflexões sobre o estado do kindulo.

Denominada ‘Transcendências’, a exposição reúne cerca de 15 obras feitas com diferentes técnicas e estará patente até o princípio da segunda quinzena de Outubro.

Para além de representar os mais de 30 anos da sua trajectória, as obras são uma reflexão sobre o estado de conservação das tradições culturais, através do uso da madeira, bronze e kindulo.

Seu objectivo, explicou à Neovebe, é ritualizar e perpetuar o diálogo, a herança cultural e artística, bem como a história das origens da nossa própria identidade.

“Há vários textos que explicam a transcendência, mas este é um diálogo sobre a minha trajectória e, sobretudo, a memória dos nossos antepassados, preservando o kindulo”, referiu.

Ao misturar técnicas e materiais como madeira e o bronze, o artista tenta transmitir às pessoas que é possível a conivência entre as velhas tradições e com os novos hábitos.

“Misturei o bronze com a madeira, por exemplo, para nos lembrarmos que a natureza e a transformação podem andar juntas”, explicou.

Preocupado com o estado do kindulo (vestuário extraído de árvores e usado principalmente na zona norte de Angola), Mayembe aconselha os jovens a lembrem-se sempre das suas tradições culturais.

“Isto é o símbolo de transmissão, progressão e esperança. É uma reflexão sobre o estado do kindulo. Apesar dos graus académicos, devemos sempre nos lembrar das nossas tradições”, exorta.

Natural de Tomboco, Zaire, Mayembe começou a actividade artística aos 13 anos de idade com seus avôs. Foi consagrado mestre em 1993. Teve a formação no Instituto Nacional de Formação Artística (INFA).

O artista é conceptualmente conhecido por se inspirar na simbologia e formas tradicionais, baseando-se em fábulas e parábolas de contos tradicionais angolanos.


Texto: Albino Tchilanda

Fotografia: Santo César

Fonte: Neovibe

Tags: #Transcendências , #ExposiçãoIndividual , #Mayembe , #ArtistaVisual , #MAAN