Palhaço brasileiro diz que colegas angolanos precisam investir na ciência

Palhaço brasileiro diz que colegas angolanos precisam investir na ciência

11 de outubro de 2018

O palhaço e professor brasileiro, Diego Baffi, doutorando em Estudos de Palhaçaria, recomendou, esta quarta-feira, em Luanda, aos seus colegas angolanos a apostarem mais na ciência cómica, se quiserem ser mais interventivos nas suas actuações.

Diego Baffi falava durante um encontro denominado A Arte de Rua - Encontro e Desencontro que teve lugar no CCBA. O referido certame serviu para discutir sobre a problemática das ocupações dos espaços urbanos através da Arte.

Apesar de a construção da imagem do palhaço ter que ver com a corrente científica e seus fazedores, o especialista brasileiro aconselhou ser importante a introdução de saber científico nesta actividade.

“Para se conseguir causar mais palhaçada é preciso ter conhecimento científico. A falta de ciência nessa actividade acontece também noutros países, mas, sinto que em Angola, o problema é maior” considerou.

Ao transportar os erros e as falhas humanas para o ridículo, o palhaço assume um papel moralizador do espaço social uma vez que, as pessoas detestam ser ridicularizadas. Daí que, o professor brasileiro é de opinião que, para o palhaço intervir socialmente precisa conhecer alguns contornos sociais.

“Um palhaço é também uma espécie de activista social e ajuda as pessoas a serem mais cidadãos. Se um palhaço angolano quiser ter sucesso deve apostar mais na ciência cómica", aconselhou.

Diego Baffi veio a Angola para uma pesquisa científica sobre os Estudos de Palhaçaria e explicou, na ocasião, que já passou em mais de 8 países e deseja concluir suas investigações na capital angolana por achar que a nossa cultura partilha algumas similitudes com a brasileira e, por isso, precisa compreender melhor este aspecto.

“Vim parar aqui por acaso. Há muitos aspectos da cultura de Angola que se assemelham aos do Brasil”, explicou.

Influenciado pela corrente francesa de Jacques Lecock, o palestrante informou que vai permanecer no país até o dia 15 e, durante esse tempo, cuidará de fazer contactos com palhaços angolanos.

A discussão sobre as ocupações dos espaços urbanos pela arte está inserta no ‘Outubro Urbano’, uma iniciativa da UN Habitat que procura reflectir a problemática das ocupações, mobilidade, construção e preservação dos espaços urbanos.

Para além desta palestra, o CCBA vai acolher, também, esta quinta-feira uma sessão cinematográfica sobre a construção desordenada, nos anos 60, da cidade de Nova York.

Amanhã estará reservada a exposição fotografia sobre a antiga e moderna arquitectura de Luanda. O evento denominado ‘Um Olhar Sobre Luanda’, vai analisar as construções dos espaços públicos luandino.


Texto: Albino Tchilanda

Fotografia: Santo Cesar

Fonte: Neovibe

Tags: #AArteDeRuaEncontro&Desencontro , #Palestra , #DiegoBaffi , #PalhaçoBrasileiro