Sérgio Fernandes questiona o contexto histórico-político angolano em livro de contos

Sérgio Fernandes questiona o contexto histórico-político angolano em livro de contos

13 de março de 2019

Desde pequeno, Sérgio Fernandes procurou perceber a realidade social e cultural do país. Hoje, preocupado com as próximas gerações, o jovem decide lançar um livro que vai ajudar a perceber a problemática da pobreza, religião e a exploração económica.

Influenciado pelos romances policiais que a irmã o desafiava a ler, hoje, Sérgio Fernandes deixa um legado sobre o actual contexto político, social e cultural às gerações vindouras.

Intitulado ‘O Último Dos Sonhadores’, a obra será lançada às 18 horas da próxima quinta-feira, 21 de Março, no Centro Cultural Português, em Luanda.

Para José Luís Mendonça, o prefaciador da obra, O Último Dos Sonhadores dá a possibilidade de o leitor (des)construir o seu dia-a-dia, ter o amor desejado às costas, aceitar a mudança política com uma certa ironia e colocar um aviso a dizer «Sorria, você está sendo filmado», no quadro do combate à corrupção. 

O Último Dos Sonhadores submerge nos subterrâneos da nossa própria memória, a questionar o destino comum da Humanidade e engendra uma espécie de Maiêutica, considera Luís Mendonça.

O jovem escritor acredita que o seu livro de contos poderá abrir novos debates políticos, económicos e sociais em Angola. Pois, parte dos conteúdos debruçados continuam a definir o curso do país.

“Escrevo um pouco daquilo que vou vendo e a forma como as pessoas, à minha volta, vão se adaptando. Era miúdo, mas me lembro um pouco das primeiras eleições em Angola e a guerra civil. Da paz, do boom económico e mudança de presidente”, explicou.

A preferência por este modo de produção justifica-se, segundo o escritor, por ser o que mais facilmente encaixa nas estórias que traz. Para além de reflexivo, o livro também entretém.

“Tenho três grandes objectivos com a escrita: entreter, contribuir para o debate sobre a pobreza, desigualdade social e deixar alguma coisa que ajude as futuras gerações perceberem a geração actual”, esclareceu.

Mestre em Política Internacional, Sérgio Fernandes cresceu no Rangel. Aos 15 anos, começou a dedicar-se à escrita. Nessa época, o adolescente escreveu um livro que, infelizmente, nunca chegou a ser publicado.

Embora tenha abandonado a docência, com a escrita, o jovem promete continuar a contribuir para a formação dos angolanos. Depois do livro O Último Dos Sonhadores, tenciona fazer outras publicações. “Este será apenas o primeiro passo de uma carreira”, garantiu.

De forma apelativa e surrealista, o talento continuará a contar histórias e sonhos dos angolanos à semelhança da sua primeira obra.

Actualmente, suas referências são vão desde José Eduardo Agualusa, Luandino Vieira, Mia Couto, Franz Kafka e George Orwell.


 

Texto: Albino Tchilanda

Fotografia: Santo César

Fonte: Neovibe

Tags: #SérgioFernandes , #Escritor , #OÚltimoDosSonhadores , #Literatura , #Contos