Artista plástico retrata a luta e a persistência da mulher negra

Artista plástico retrata a luta e a persistência da mulher negra

26 de fevereiro de 2019

Denominada ‘Terra Nova’, a exposição inédita de Landrick Luzinga marca o 10.º aniversário da sua carreira. Através do Cubismo de Pablo Picasso, o artista expõe, desde sexta-feira, em Luanda, o dia-a-dia da mulher africana e explica o porquê.

Para assinalar os dez anos nas Belas Artes, Landrick Luzinga levou a Galeria Tamar Golan, Baixa de Luanda, uma das suas maiores exposições individuais desde que começou a carreira. As obras retratam a luta e a persistência da mulher negra.

Embora tome como referência o cubista espanhol Pablo Picasso, o jovem traz nas suas obras sólidos geométricos e prismas que decompõem a luz, simbolizando a beleza africana.

Ao exaltar o símbolo da vida africana, o artista diz que pretendee homenagear a coragem e o espírito de luta da mulher.

“É uma homenagem ao seu espírito de luta e de sacrifício e à forma como a mulher africana tem sabido enfrentar todas as dificuldades”, explica.

De acordo com Landrick Luzinga, as dez telas acrílicas que compõem a exposição é a celebração de uma década de aprendizagem, crescimento e de criação artística.

Natural do Uíge, Landrick passou a infância e juventude na RDC e foi nesse país africano onde frequentou academia de Belas Artes.

Durante sua formação, o jovem destacou-se com o seu estilo típico de pinta a beleza africana. Feito que o levou aa participar em exposições colectivas em Kinshasa.

Em Angola, o artista apresentou-se publicamente em 2010, na cidade Lubango. Mais tarde, participa em várias exposições colectivas ao lado de artista de referência.

Hoje traz mais uma vez, suas criações na Galeria Tamar Golan. As obras ficarão patentes até o próximo dia 18 de Março.  


 

Texto: Albino Tchilanda

Fotografia: D.R

 

Fonte: Neovibe

Tags: #TerraNova , #ExposiçãoIndividual , #ArtesPlásticas , #LandrickLuzinga , #ArtistaPlástico